A Caderneta de Poupança piorou. E deve piorar mais ainda. E agora?

Por Rono Bhering 03/10/2019 - 09:22 hs
A Caderneta de Poupança piorou. E deve piorar mais ainda. E agora?
Foi bom mas não é mais

            O assunto mais trabalhado deste colunista que está há longos 4 anos com você é como tratar seu dinheiro de forma mais adequada. Falar de dinheiro em um país onde a maior parte das pessoas não sabe fazer contas básicas traz uma tônica especial ao assunto. Talvez eu não seja um primor com meus próprios rendimentos e fico tentando passar algo ao leitor. Mesmo sendo economista de formação não é confortável falar de dinheiro com um contingente tão diversificado de pessoas que leem este jornal. Por isto vou tentar ser bem lúcido e breve ao falar de poupança desta vez.  


            A era de ouro da Caderneta de Poupança acabou. Este tipo de investimento foi moldado pelo governo com o intuito de não deixar os bancos esfolarem seus clientes. Imaginem o Brasil de 70 anos atrás. Mais da metade da população brasileira era analfabeta (IBGE, censo demográfico 1940). O governo precisava criar algum mecanismo de proteção para que os poupadores não fossem tungados pelos espertões vestidos de terno e gravata atrás de uma mesa. Bingo! Nasce a Caderneta de Poupança! Conta remunerada que seria proibida a cobrança de tarifas, teria uma remuneração mensal definida pelo governo e teria seu rendimento uniforme em todo e qualquer banco. Foi uma vitória dos mais humildes (pobres) naquele tempo.  


            Porém atualmente as condições não estão boas para esta modalidade de investimento como naquele tempo. O rendimento da Poupança hoje é apenas 70% do valor da SELIC (5,5% a.a). Em termos nominais, a Caderneta rende 3,85% ao ano. Entretanto, descontada a inflação esperada de 2019, 3,75%, o rendimento real da poupança fica abaixo de 1% ao ano. A má notícia é que a SELIC deve cair, e isso piorará ainda mais o rendimento da Caderneta de Poupança. O que fazer?  


            Investimento financeiro não é receita de bolo e não é ciência. O que serve para o seu vizinho pode lhe fazer mal. O que empobreceu o seu parente pode te enriquecer. Mas algumas dicas valem para quase todos. Segue abaixo:

- Se for procurar algum fundo de investimento não aceite algum que te cobre mais de 1,5% de taxa de administração por ano.

- Se for colocar dinheiro em CDB não aceite nenhum que te dê menos do que 90% do CDI.

- Só coloque dinheiro em previdência privada se você de fato tem um horizonte de ao menos 10 anos sem ter que mexer nela.

- Se você não entende nada de finanças, deixe o seu dinheiro na Caderneta de Poupança e seja quase feliz. Não arrisque!